Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Not quite sun, not quite the moon



Segunda-feira, 08.07.13

Dá-dá-ismo

«E tu, o que queres da vida?»
Veio assim a pergunta, muito pouco a jeito da moderna questão colocada, uma tendência pouco portuguesa, género import/export dos idos 90. Veio clara como o vinho entornado de três garrafas de branco, solta e escorreita como é de bom-tom, uma vez vertido o líquido para dentro do corpo — deixamo-lo sair em resposta.
Como é costume, fiz uma lista, que incluía o velho e proveitoso capitalismo a permitir a boa manutenção logística e luxo-aqui-e-ali da vida estrutural, familiar, e a culpa é sempre, sempre dos pais.
Mas o que, depois, me ficou cá a encanitar, zumba-zumba, foi a contracção da preposição com (lá voltamos outra vez) o artigo definido: da vida.
A gente quer coisas dela e temos esse preguiçoso e pestilento costume de esperar que a vida nos satisfaça os desejos, esfrega-esfrega-genial, sem que na maioria das vezes mexamos o rabo, as pernas e o resto, sobretudo a cabeça, e não conta abanar o capacete.
A vida é uma dádiva, não uma parturiente de dádivas, tipo quermesse, vá lá, deus das rifas, faz com que me saia o funil amarelo. Façamo-nos à vida, que ela não se faz a nós.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por T.


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



por Tânia Raposo


Pesquisar

Pesquisar no Blog