Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Not quite sun, not quite the moon



Terça-feira, 14.05.13

Desamar

[Fotografia de TR]


É raro, muito raro uma mulher desapaixonar-se, e esse processo é pragmático na raiz, é um exercício de matemática, auto-inflige-se. Desamar, desamar é outra coisa.
Tentativa-erro-tentativa, nunca vai acabar o amor. Estamos a viver nele e um dia acordamos despejadas. Mas ainda estamos lá dentro. A merda é essa. Não pertencemos áquele lugar, embora ele nos pertença, e depois o que se faz. Não queremos consolo, não queremos bater com a porta, mas ficamos trancadas, com o luto feito e uma tristeza que só se conhece quando vem o vómito e a náusea e o descanso, tudo ao contrário e em câmara lenta, para não haver escapatória.
Fica-se à espera de terapia regressiva, de sinais exteriores, superiores, evocações e nada. Tudo calmo, extraordinaria, aborrecida e inexplicavelmente calmo. Olha-se para ele, sentado, à espera de uma cena, faz-se força, é agora, tens de berrar, gesticular, enxovalhar, senão isto não se justifica, é inadmissível. Leva-se à cena, sai-se com ranho no nariz e a clássica maquilhagem retocada cara abaixo e quase se acredita que será tudo possível outra vez.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por T.


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



por Tânia Raposo


Pesquisar

Pesquisar no Blog