Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Not quite sun, not quite the moon



Quinta-feira, 06.06.13

Suffer the little children

Suffer the little children

 

A coisa começou torta, como aqueles incisivos que vêm, em trote gengival, ameaçando furar os beiços das criancinhas. A declaração tem um princípio, falo com propriedade: entrei e o corredor, com portas coloridas (púrpura-fada, amarelo-pirlimpimpim, azul-fastiento), tinha ao fundo uma fonte exotérica que jorrava um esguicho murcho, uma aguinha mole que gritava recalcamento. Sentei-me, rabo enterrado numa poltrona negra com cheiro a estofador forreta, napa a anunciar dali até ao hall que tinha o traseiro nela a dar a dar.
Entro? Obrigada, Doutora, tal e tal. Ah, sim, as manchas (a cada Rorschach dela, eu via desfilar cremes Yves Rocher, depois os bombons). Não, Doutora, estou aqui, sim. Eu? Em nada, estava a ouvi-la. Não há divã? Não, não me importo. Pois, é dos filmes. Vamos passar?

A mudança da cadeirinha para o cadeirão, deve haver aqui um significado oculto, Deus meu, tudo tem de ter significados ocultos, chiça, mas o Vamos Passar? era o mesmo da minha cabeleireira, quando me quer tirar da calha, ela que cortava os cabelos ao Rónaldo, descobri no outro dia, enquanto me metia a tesoura nas farripas do ensaio franjático que experimentou em mim — isto também deve ser parábola para símbolo escondido, Jesus.
Saí e ela agarrou-se-me, beijou-me as faces, afagou-me o bracinho direito, e disse só o meu nome cristão. Espero que isto lhe faça sentido, atirou ela. Far-me-á sentido, e vou já de encontro, pelo sim, pelo não.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por T.


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



por Tânia Raposo


Pesquisar

Pesquisar no Blog