Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Not quite sun, not quite the moon



Terça-feira, 04.06.13

A Morte de E.

O meu frigorífico pifou, finou-se, pum. As manobras do curso doméstico de primeiros socorros de nada me valeram, e a ele, ferrugem de cima a baixo, pingando estalactites, muito menos. Mas isso foi depois.
Entrei na cozinha e havia uma poça em forma de Zorro. De cócoras, sem acreditar que ia perder a guerra, perscrutei a zona circundante e, nada havendo que indicasse a origem do mal, enfiei a mão debaixo do rectângulo outrora branco. Nada para lá dos cinco ou seis centímetros de líquido. Seco, sequinho.
Cena 1, take 2: polegar retido nas baixas profundezas frigoríficas. Vem o braço esquerdo em auxílio e lá se avança, com toda a confiança e o cotão de longa duração, para a batalha. Corta-se a corrente ao bicho. Abre-se a porta.
Nota de campo n.º 1: a zona de refrigeração assimilou as propriedades da que a precede, se virmos a coisa de cima para baixo, i.e., da zona de congelação, e apresenta agora um bloco de gelo titânico, com meio metro de largura e pelo menos um palmo de altura, sem fundo à vista. Não será isto a abalar a minha estóica confiança no desenrascanço.
Saco de uma espátula de madeira, muno-me de um martelo sueco e esculpo pós-modernamente a besta glaciar. Isto durou até ficar com o joelho esquerdo enfiado na gaveta dos legumes, resultando num esmagamento de um tomate-em-rama-esquecido-em-rama-esborrachado, e vi também o vidro em mil pedaços cortado.
Com a fúria dos que vêem a derrota mas se atiram à morte certa, acendi várias velas e pu-las em regime nossa senhora de Fátima rogai por nós na segunda prateleira. O monstro começou a ceder, ping-ping, aquilo lembrava-me os meus passeios nas grutas de Santo António, divaguei e voltei a mim quando me cheirou a borracha queimada.
Soprei uma golfada de ar, qual aniversariante, e apliquei o golpe mais baixo: fui-me a ele com as unhas, puxei, e vim aterrar nos mosaicos, entre alguidares, turcos ensopados e rolos de papel, com o menino nos braços.
Electrolux morreu esta noite, a desoras. O funeral realiza-se amanhã, ao final da tarde. A proprietária não lhe concedeu, em vida, a manutenção que merecia. Deixa mulher desamparada. Eterna saudade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por T.


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



por Tânia Raposo


Pesquisar

Pesquisar no Blog