Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Not quite sun, not quite the moon



Quarta-feira, 20.11.13

Bichos como nós

 

Abrir um buraco com setenta centímetros de profundidade, polvilhar com cal, daqui a um ano e pouco não estará nada lá.
Estava a ver a bola quando o pai ligou. Atendi, eufórica, aos berros, como fazia a avó quando recebia telefonemas do estrangeiro. Lá longe, a octogenária Lili tinha sido adormecida. Emudeci.
A raposinha castanha, de pêlo comprido, tinha saído bebé do barraco do avô para a carrinha do pai. Eu acenei da portinhola de latão: a cadela Lili imigrava também. Era a mais nova de uma ninhada, a última das criações do avô.
Parecia um boneco de corda, a Lili. Precisava sempre que estivesse alguém por perto para se mexer. Nisso, ela e o pai tão iguais. Mas para Lili, a sorte grande, chamada pai; para ele, só a terminação.
Foi nisso que pensei ontem, quando não queria, não queria pensar.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

por T.


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



por Tânia Raposo


Pesquisar

Pesquisar no Blog