Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Not quite sun, not quite the moon



Quinta-feira, 08.08.13

Da tristeza destes dias

A gente habitua-se às demissões, à fantochada, aos comícios em sede imprópria, a ver Pedro & Laura em trajes menores no areal. A gente aprende a conviver com o inenarrável cartaz do candidato de nariz reluzente — indício de Pinóquio em gestação na coisa pública , a aguentar Ulrichadas, pobrezinhos de espírito a brincar às elites. Escol, é bom lembrar, nunca esquecer Pessoa, é coisa que não existe verdadeiramente em Portugal.
Mas a gente vai abaixo, a gente cai num esmorecimento doído, quando pergunta à senhora do café qual a razão para o seu súbito chururu, bochechas murchas e olhos baços, e escuta: «Estou triste por ir de férias.» Porque no tempo, não muito distante, das vacas gordas e sorridentes, a casa não fechava, ou, se se punha o papelito com um sol de ClipArt a alertar a clientela sobre o descanso merecido do pessoal, ia-se embora contente, consolado, trabalho feito, dinheiro contado, assunto arrumado.
Como se sobrevive a isto para depois ver se ainda vale a pena? Não sei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por T.


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



por Tânia Raposo


Pesquisar

Pesquisar no Blog